Site Cultural de Ovar

22h00
Museu Júlio Dinis
destinatários público de todas as idades
categoria – ambiente | meditativo | intimista | soundscape | experimental
duração 45’
entrada gratuita
+info museujuliodinis@cm-ovar.pt
produção Museu Júlio Dinis | Câmara Municipal de Ovar

SOZINHO EM CASA

#1 PETIZ | EUTUPIA: CONCERTO MEDITATIVO



03 de dezembro de 2020

“Sozinho em Casa” - o título serve como premissa base para a construção de uma peça musical, onde PETIZ pretende jogar com as ambiências soundscapes (field recordings) e frequências: usar o som como matéria prima e esculpi-lo de uma forma natural. A peça a apresentar assume, assim, um carácter experimental e de improvisação, onde o espetador é convidado a entrar numa viagem emocional, sendo o espaço de acolhimento uma zona de conforto - “a nossa casa”. A narrativa é dada não só pelo som, mas também pelo espaço - o cenário. Tal como uma casa, o cenário será um sítio de refúgio e de abrigo, onde cada espetador é convidado a relaxar e a deixar-se levar pela viagem proposta. Será uma peça progressiva predominantemente marcada pelos elementos da natureza (sejam estes pré-gravados ou amplificados, em tempo real).

PETIZ é um artista multidisciplinar que atua entre o som e a imagem. Todo o seu trabalho reflete a forma como vive. Afirma não existir uma barreira entre a vida e a arte e que ambas estão interligadas. O seu trabalho serve como base do pensamento crítico para a forma de estar/ser/viver. “Quem sou eu? O que faço aqui? O que estou a sentir? Como posso ser feliz?” são algumas das premissas base para o seu trabalho. Vai alternando o seu processo criativo entre estados meditativos e expansivos, como a própria natureza, e oscilando entre vários ciclos e processos. Não delimita caminhos, nem se deixa prender numa zona de conforto. Assume um carácter experimental e de improvisação, onde o erro é assumido como uma ferramenta de aprendizagem. O seu trabalho é uma forma de comunicação aberta para quem o quer ouvir ou comunicar e, por isso, o espetador detém sempre um papel importante. Não existe o certo, nem o errado, apenas múltiplas realidades e perceções.

O projeto “Sozinho em Casa” advém das vivências de Joaquim Guilherme Gomes Coelho versadas na “Casa dos Campos”, durante a sua curta estadia protagonizada no verão de 1863, cuja experiência resultou os esboços dos romances “As Pupilas do Sr. Reitor” e “A Morgadinha dos Canaviais” e subsequente afirmação do pseudónimo Júlio Dinis. Volvidos cerca de dois séculos pretende-se com o projeto “Sozinho em Casa” dar prossecução ao legado da “Casa dos Campos”, nomeadamente, divulgar obras inéditas e experimentais, concebidas por protagonistas solitários, nos diversos registos de criação e expressão, interpretadas de forma intimista e descomprometida junto do público.